Vincent - Um solo de amor

quarta-feira, 3 de março de 2010

Vila dos mortos está de volta



Sucesso em 2009, "Vila dos mortos" está de volta ao Espaço Cultural Puc Minas. São apenas quatro apresentações dias 4, 5, 11 e 12 de março (quintas e sextas), às 20h. O espetáculo traz à cena vidas que se cruzam num bairro qualquer de Belo Horizonte. O medo, tema inicial da proposta colaborativa de dramaturgia e montagem, acabou ganhando dimensões sobrenaturais. O grupo experimental, formado por atores profissionais, ex-alunos da Escola de Teatro da Puc Minas, passa por reformulação e investe na criação de companhia. Boa sorte à trupe!


Em setembro, a jornalista Janaina Cunha Melo escreveu no Caderno de Cultura do jornal Estado de Minas:


"NOVA PROPOSTA

Amanhã tem mais uma sessão de Vila dos mortos, no Teatro da PUC (Rua Sergipe, 790, Funcionários), às 20h30. A montagem da Escola de Teatro da PUC/MG tem méritos que a tornam uma experiência curiosa para a plateia. Situação rara no teatro mineiro e nacional, o argumento leva para cena elementos do realismo fantástico, com ótimos resultados. A partir de seis histórias, que em algum momento se encontram, a trama revela as muitas maneiras como as pessoas se relacionam com seus mortos. A bem da verdade, trata das perdas. Algumas inesperadas, outras nem tanto. E da maneira como é possível lidar com elas, com mais ou menos habilidade.

O cenário é outro ponto importante da montagem. Bem resolvido e com inspiração em linguagem cinematográfica, ajuda na dramaturgia. Cada uma das histórias é apresentada de forma clara e favorece o entendimento do texto. Pela complexidade do que é proposto, facilmente a trama poderia se embaralhar, mas, com ajuda dos objetos e da estrutura da montagem, a narrativa ganha força em cada núcleo em movimento crescente, até encontrar nexo como espetáculo. Como experimentação, Vila dos mortos depende de pequenos ajustes e amadurecimento de atuação, mas merece destaque, sobretudo pela coragem de propor algo novo para o público e os próprios estudantes. Aventura corajosa, que pode render bons frutos para a companhia, com 25 integrantes. Eles demonstram que nem sempre o caminho mais curto, óbvio e fácil, é o melhor.

Janaina Cunha Melo"

(Coluna Holofote - EM Cultura - Jornal Estado de Minas - 2 de setembro de 2009)

2 comentários:

Ah ....gente disse...

Eu já assisti e recomendo.
Vou de novo ....vale a pena.

Bárbara disse...

Estamos de volta e com muita vontade de levar sempre para frente este projeto, que foi construído com tanto trabalho e carinho.
Obrigada Jefferson pela força e conte comigo sempre.
Bjs
Bárbara Oliveira