Fantástico - Vai fazer o quê?

sábado, 20 de março de 2010

A cidade que me espanta

A BH que eu amo tem o povo mais alegre de que já se teve notícia. A cidade que me espanta tem burocratas que me ferram a alegria. A BH que eu amo tem o maior evento de popularização do teatro e da dança do país. A cidade que me espanta tem a arrogância de grupo de cabeça miúda que insiste em minar o evento. A BH que eu amo tem frota de táxi de fazer inveja a qualquer grande metrópole do mundo. A cidade que me espanta tem elementos do mal que atacam taxistas. A BH que eu amo é bela e feminina. Já a cidade que me espanta tem maníaco que estupra e mata nossas meninas.

A cidade que eu amo tem duas das maiores forças do futebol brasileiro. A cidade que me espanta tem torcedor que só quer arranjar confusão. A cidade que eu amo tem bons profissionais para tudo o que é área e serviço. Na cidade que me espanta falta respeito, emprego e oportunidade. A BH que eu amo tem professores que, embora ganhem muito mal, amam ensinar. A cidade que me espanta tem alunos que ameaçam seus mestres. A BH que eu amo tem excelentes atores e técnicos de cinema e de televisão. A cidade que me espanta parece não querer saber disso. A BH que eu amo tem vias rápidas, grandiosas, que desafogam o trânsito. A cidade que me espanta não comporta a quantidade de veículos que nela trafega.

A BH que eu amo tem bons motoristas. A cidade que me espanta tem péssimos motoristas. A BH que eu amo tem parques, cinemas, cafés e livrarias. A cidade que me espanta só tem botecos e botequins. Da BH que eu amo vejo montanhas e serras. Da cidade que me espanta não dá para ver o que estão fazendo com elas. A BH que eu amo tem a Praça da Estação. A cidade que me espanta não tem a Praça da Estação. Na BH que eu amo tem gente de muita fé. Na cidade que me espanta está assim de picaretas de gravata que usam o nome de Jesus. A BH que eu amo tem o Frei Cláudio. Na cidade que me espanta... cadê o Frei Cláudio?

Na BH que eu amo tem rodoviária e aeroporto para a gente chegar. Na cidade que me espanta tem ônibus e avião para a gente ir embora. Na BH que eu amo tem sujeito público que faz sem prometer. Na cidade que me espanta tem quem só diz que vai fazer. Na BH que eu amo o que se planta nasce. Na cidade que me espanta não adianta nem tentar. Na BH que eu amo tem orquestra, concerto e ópera. Na cidade que me espanta os músicos não conseguem pagar suas contas. A BH que eu amo tem pais e filhos que se amam. Já na cidade que me espanta tem famílias inteiras que não se entendem. Na BH que eu amo os homens sonham. Já na cidade que me espanta mal consigo dormir.

Alguém sabe para onde vai o próximo trem?

Vida Bandida - Jefferson da Fonseca Coutinho - 20/3/10

(Na foto, a Praça da Estação, por Elmo Alves)

Um comentário:

Walmir disse...

mano blogueiro,
BH é uma cidade em construção, viva, com encantos e desencantos. MAS é, segundo pesquisa recente e o que se vê, uma das capitais mundiais mais desiguais, injustas socialmente e elitistas. Fica atrás de capitais africanas. Nossas periferias são horríveis, com esgoto a céu aberto, onde milhares de irmãos viventes convivem com todo tipo de praga e desamparo.
Boa luta, mano.