Fantástico - Vai fazer o quê?

sábado, 20 de março de 2010

A classe se levanta

"Belo Horizonte, 19 de março de 2010.

MANIFESTO CONTRA A GESTÃO AUTORITÁRIA
NA CULTURA DE BELO HORIZONTE

No próximo dia 27 de março deveríamos comemorar o dia internacional do teatro, mas neste ano a data não é merecedora de celebração festiva. Afirmamos isso com total certeza frente ao momento crítico no âmbito da gestão pública da cultura que vive a capital mineira.

Após acompanharmos a extinção espúria e na “calada da noite” da Secretaria Municipal de Cultura em 2004, vimos surgir uma Fundação Cultural inóspita, inoperante e, mais recentemente, com uma administração autoritária. O esvaziamento conceitual e a irresponsabilidade política dessa gestão chegaram a tal ponto que programas estruturantes e bem sucedidos como o Arena da Cultura e o BH Cidadania foram repentinamente suspensos. Quando imaginávamos que a situação não poderia ser pior, fomos afrontados com uma súbita mudança no orçamento da Lei Municipal de 2009 e o conseqüente atraso na divulgação de seu resultado. Não obstante tudo isso, o resultado divulgado é incoerente com a regulamentação da lei: o Fundo Municipal não recebeu os sessenta por cento de recursos garantidos pelo edital. Continuando a seqüência de leviandades, recebemos o comunicado do cancelamento da 10ª edição do Festival Internacional de Teatro a cinco meses de sua realização, acompanhado de justificativas inconsistentes e que desconsideram a importância do evento já garantido por lei. O mesmo despotismo que levou o prefeito Márcio Lacerda a proibir manifestações artísticas na Praça da Estação se reflete na atual administração da Fundação de Cultura.

O desrespeito com os artistas e trabalhadores da Cultura da cidade, sem a menor preocupação com a repercussão que tais fatos podem ter no trabalho e na sustentabilidade desse segmento, é recorrente nesta gestão. Não há mais como ficarmos calados e imóveis! Convocamos todos aqueles envolvidos com a Cultura da capital mineira, sejam profissionais da área ou cidadãos conscientes, que distribuam esse manifesto pelo país. Por outro lado, nós, abaixo assinados, exigimos que a Presidente da Fundação Municipal de Cultura, Sra. Thaís Pimentel, receba representantes de nossa categoria para um debate franco, democrático e transparente, que estabeleça novos paradigmas para a política cultural do município".

4 comentários:

Cacá disse...

Todo e incondicional apoio.Já estou enviando o link de sua postagem para pessoas que conheço. Abraço. paz e bem.

MAP disse...

Grande post, Jefferson! Estou divulgando... Gostaria de me solidarizar na alegria, mas cá estou na tristeza! Abraço!

José Antônio do Carmmo disse...

Aqui em SP a notícia caiu como uma bomba!
Entrei em contato com a Cooperativa Paulista de Teatro, da qual sou sócio, e fui informado que já estavam sabendo e debatendo sobre esta atitude autoritária e .

Rodrigo Robleño. disse...

Desde longe... mas enviando aos amigos e divulgando como se possa.... acabo de ler, também, que teatros em SP estão a ponto de se transformarem em estacionamentos!!! Espero que os cidadãos brasileiros acordem para o que essas ações significam a longo prazo....

Sucesso na campanha!!!