Jefferson da Fonseca - Mostra Tua Cara

sexta-feira, 5 de julho de 2019

Van Gogh nas escolas

É tempo de recordar: no início dos anos 2000, levamos Van Gogh para cerca de 10 mil alunos dos ensinos fundamental e médio. Com nosso monólogo, percorremos cidades de Minas Gerais, São Paulo e Espírito Santo e, nas escolas, nos palcos mais improvisados, ganhamos professores e jovens amigos para toda a vida. Jornada linda de viver e reviver.

Fotos: Maíra Soares































VINCENT 
UM SOLO DE AMOR

FICHA TÉCNICA
Textos: 
VINCENT VAN GOGH
WILLIAM SHAKESPEARE

Roteiro e Direção:
JEFFERSON DA FONSECA
MARCELLO CASTILHO AVELLAR

Arte e Figurino: 
ANA CÂNDIDA CARDOSO

Iluminação:
CÁSSIO PINHEIRO

Produção: 
QUERIDA COMPANHIA
PAULA SÁ E TERESA BORGES

               Fotografia:
ALEXANDRE GUZANSHE
ALAIN DHOMÉ

Contatos:
Paula Sá (31) 99637-1416
Teresa Borges (31) 99972-5818
Jefferson (31) 99952-2901





terça-feira, 18 de junho de 2019

Headshots






"Foro íntimo" e "Onde nos perdemos"

"Foro íntimo", de Ricardo Mehedff
Depois de temporada em Goiás, para filmar "Atrás da sombra", de Tiago Camargo e Daniel Calil, Jefferson da Fonseca volta às telas grandes. Duas novas produções com o ator e diretor ganham as salas de cinema do Brasil a partir do segundo semestre. A primeira, em setembro, é "Foro Íntimo", do cineasta Ricardo Mehedff. Inspirado em eventos reais, ‘Foro Íntimo’ navega sob turbulentas águas que escondem a situação do judiciário no Brasil. O filme acompanha 24 horas na vida de um juiz acuado por criminosos sob seu julgamento que se encontra refém do sistema legal.

Em seguida, é a vez de "Onde nos perdemos". Cinco irmãos se reúnem para tratar de partilha. Juntos, em longa jornada noite adentro, são tomados pelas dores do reencontro. Revelações das mais duras vão mudar por toda a vida a família Salomão. Terceiro e último longa da trilogia "solidão", escrita e dirigida por Jefferson da Fonseca, Marko Costa e Marinho Antunes, a partir de jogos de psicodrama, em imersão de vivência, da Casa do Ator - Studio de Treinamento e Arte. 


"Onde nos perdemos", de Jefferson da Fonseca






Sobre o ator e diretor

Desde 1992, Jefferson da Fonseca é profissional de teatro, TV e cinema. Nos palcos, premiado em drama e comédia, atuou em “O processo”, “Peter Pan”, “Ricardo 3”, “Vincent”, “Lua de cetim”, “Fulaninha e dona coisa”, “Os sem vergonhas”, “Um inimigo do povo” e “Antígona”, com a Cia Pitouch (França), entre outros. Na TV, pela Rede Globo, esteve na minissérie JK, nas novelas “Sete Vidas”. “Novo mundo”, “Os dias eram assim, “Orgulho & Paixão” e em quadros especiais para o Fantástico, entre 2013 e 2019. Pela TV Record, participou das novelas "Jesus" e "Jezabel". Também esteve nas séries "Poltrona 27", “Mostra Tua Cara” e "Sou amor",  pelo Canal Brasil e pela TV Cultura. No cinema, está no elenco de “Amor perfeito”, “Pequenas histórias”, “Galinha ao molho pardo”, “Alma nua”, “O homem das multidões”, “Descompasso”, “Escuta-me”, “Vida que segue”, “Onde nos perdemos”, "Escravos de Jó", "Quadrilátero", "Atrás da sombra" e "Foro Íntimo”, inédito no Brasil e premiado em 11 países.



segunda-feira, 25 de fevereiro de 2019

HeadShots 2019





Jefferson da Fonseca Coutinho
Ator e diretor. 48 anos. 75 quilos. 1,78m
jeffersondafonseca@gmail.com

quarta-feira, 24 de outubro de 2018

Biografia

Jefferson da Fonseca, mineiro de Belo Horizonte, nascido em 1971, é ator, diretor, jornalista e professor. Diretor da Casa do Ator - Studio de Treinamento e Arte; professor de interpretação da Rede Pitágoras (2000-2007); professor de interpretação e improvisação da Puc Minas (2000-2014). Professor convidado do programa “Liderança transformadora”, da Fundação Dom Cabral. Professor de executivos de “A arte de treinar”. Em 1998 e 2014, com trabalhos em Cuba, Argentina, Alemanha, França, Espanha e Luxemburgo, Jefferson foi curador do Festival Internacional de Teatro de Belo Horizonte (Fit-BH). Entre dezembro de 2015 e agosto de 2017, foi diretor das artes da Fundação Municipal de Cultura de Belo Horizonte. Diretor do Fit-BH, em 2016. Desde 1992 é profissional de teatro, TV e cinema. É autor de textos críticos, artigos, reportagens e crônicas, publicados pelo Grupo Diários Associados, entre 1991 e 2015. Foi repórter de cultura e cidades. “Natasha”, “Nós outros”, “Um outro alguém”, “Bonsai” e “Alma nua” são algumas das histórias de Jefferson roteirizadas para o cinema. Para o teatro, entre outras peças, o ator e dramaturgo escreveu “Era uma vez Mary Lane”, “Chovia, mas os ladrões não usavam guarda-chuvas”, “O comedor de batatas”, “Alice ao avesso”, além de “Vincent – Um solo de amor” – adaptação de cartas do pintor Vincent Van Gogh. Como ator, premiado em drama e comédia, Jefferson atuou nos espetáculos “A intrusa”, “O processo”, “O mágico de Óz”, “Peter Pan”, “Ricardo 3”, “Vincent”, “Palmeira seca”, “Lua de cetim”, “Essa velha é uma parada”, “Fulaninha e dona coisa”, “Os sem vergonhas”, “Um inimigo do povo” e “Antígona: outra vez tenho vontade bater em alguém”, com a Cia Pitouch (França), entre outros. Na TV, pela Rede Globo, esteve no elenco da minissérie JK, nas novelas “Sete Vidas”. “Novo mundo”, “Os dias eram assim, “Orgulho & Paixão” e em quadros especiais para o Fantástico, de 2012 a 2016. Pela TV Record, atuou em "Jesus" e "Jezabel". Também esteve na série “Mostra Tua Cara”, pela TV Cultura, em 2018. No cinema, destacam-se as obras “Amor perfeito”, de Geraldo Magalhães, “Pequenas histórias”, de Helvécio Ratton, “Galinha ao molho pardo”, de Feliciano Coelho, “Alma nua”, “O homem das multidões”, de Cao Guimarães e Marcelo Gomes, os inéditos “Alma nua”, “Descompasso”, “Escuta-me”, “Vida que segue”, “Onde nos perdemos”, da Casa do Ator; e "Escravos de Jó", de Rosemberg Cariry. Jefferson também está no filme “Foro Íntimo”, de Ricardo Mehedff. “Foro íntimo”, inédito nas salas comerciais do Brasil, já foi premiado em 11 países.

Entrevista



A jornalista Sandra Kiefer, do programa Chá com Leveza, entrevista o ator e diretor Jefferson da Fonseca. Foi em 28 de abril de 2018.

Confira o Canal da jornalista:
https://youtu.be/0gJe__IvHZY

Jornal Pauta





Reportagem de Ilson Lima, publicada em junho de 2013.

quarta-feira, 17 de outubro de 2018

Headshots








Jefferson da Fonseca Coutinho
Ator e diretor. 47 anos. 75 quilos. 1,78m
jeffersondafonseca@gmail.com

segunda-feira, 19 de fevereiro de 2018

Vagas limitadas!



O ator invisível
Para a TV. Para o Cinema. Para a vida.

Intensivo de 12 horas, com técnicas e prática de atuação para atores e não atores.

-       Bioenergética
-       Psicodrama (Introdução)
-       Jogos de cena
-       Câmera

Dias 3 e 4 de março de 2018 (Sábado e domingo)
Das 9h às 12h e das 13h às 16h
Investimento: R$ 290


Cinema na alma

Extensivo para atores e não atores, com imersão e vivência na construção de obra cinematográfica.

No programa:

-       Câmera;
-       Bioenergética;
-       Psicodrama;
-       Dramaturgia do ator;
-       Jogos de cena;
-       Criação de papéis;
-       Personagem;
-       Set de filmagem

Toda quarta-feira, das 19h às 22h
Início: 7 de março de 2018
Término: 27 de junho de 2018
Investimento: 5 (cinco) parcelas de R$ 590


Jefferson da Fonseca é ator e diretor, com trabalhos no teatro, na TV e no cinema, desde 1990. Foi professor de interpretação da Rede Pitágoras (2000-2007) e Puc Minas (2000-2014). Jornalista do Grupo Diários Associados (1991-2015). Curador do Festival Internacional de Teatro Palco & Rua de Belo Horizonte (Fit-BH), em 1998 e 2014, com trabalhos em diversos países. Diretor das artes da Fundação Municipal de Cultura de Belo Horizonte (2015-2017). Diretor do Fit-BH (2016). Fundador da Casa do Ator – Studio de Treinamento e Arte, onde, desde 2012, atua também como preparador de elenco, roteirista e diretor.


Informações e inscrições:

Contato:
Teresa Borges
(31) 99972-5818

sexta-feira, 20 de outubro de 2017

Van Gogh está de volta



Depois de dois anos longe dos tablados de Belo Horizonte, “Vincent” está de volta. O solo do ator e diretor Jefferson da Fonseca, produzido pela Querida Companhia de Arte, foi levado ao palco pela primeira vez em 1995. Daquele ano em diante, foram duas décadas ininterruptas de salas convencionais e espaços alternativos, em paisagens diversas pelo Brasil. “Vincent”, que, agora, ganha o subtítulo “Um solo de amor”, se reapresenta renovado no Teatro Marília (Avenida Professor Alfredo Balena, 586), no Bairro Santa Efigênia, de 17 a 26 de novembro, sexta e sábado, às 21h, domingos, às 19h.

Novas cores e nuances, caracterização, e releitura dos textos de Van Gogh, Antonin Artaud e Shakespeare, são o que pode ser destacado na nova versão de “Vincent”. “São mais de 20 anos desde as primeiras leituras das quase mil cartas de Van Gogh. É natural que, em novo tempo, tomados de muitas outras motivações, a gente reveja o que criamos. A mudança mais significativa é o menor peso dramático na concepção. Hoje, entendemos um pouco melhor a poesia, a provocação e as cores de Vincent. O tanto que tudo isso nos afeta. A melancolia, antes aos montes, de doer, continua, em outros lugares, porém, em outra proporção”, diz Jefferson.




“Vincent – Um solo de amor” é um espetáculo centrado na força da palavra e do ator. Inspirado em algumas das muitas cartas do pintor holandês, o texto traz à cena um ser humano rude, apaixonado e solitário, que fala de Deus, amor e liberdade. Num período dos mais conturbados de toda a sua vida - abatido pela miséria, mergulhado na literatura e na filosofia e de relações cortadas com a família -, Vincent buscava a reconciliação com seu protetor e mais leal amigo: o irmão Theo.

Em 20 anos de carreira (1995-2015), “Vincent” foi destaque em festivais nacionais de São Paulo (Franca e Piracicaba) e Paraná (Curitiba). E, por meio da Planeta Produções, em parceria com a Fundação Belgo-Mineira, a montagem percorreu o interior do Espírito Santo e Minas Gerais. Também foi atração para grupos de psiquiatria em Santa Catarina, Rio de Janeiro e São Paulo. O espetáculo foi criado por Jefferson da Fonseca, com a supervisão geral do crítico, professor e diretor teatral Marcello Castilho Avellar (1961-2011).

Ao longo de mais de 20 anos, “Vincent” esteve em bares, galpões e teatros de formatos diversos. Em todos esses espaços, buscou investigar o que seria a forma ideal para que a relação palco-plateia pudesse ali se realizar plenamente, o que acabou permitindo a seus criadores o acúmulo de soluções cênicas que se destacam na obra. Soma-se a isso a importância do debate presente no próprio texto, que trata da arte, de Deus, de amor, do artista e da liberdade.

Fotos: Ana Cândida Cardoso





Em dezembro tem "Vincent - Um solo de amor" no Espaço Cênico Yoshifumi Yagi - Teatro Raul Belém Machado


Logo que encerrar a temporada no Teatro Marília, "Vincent - Um solo de amor" segue para a Região Noroeste de Belo Horizonte. A peça vai ser apresentada no Espaço Cênico Yoshifumi Yagi – Teatro Raul Belém Machado (Rua Leonil Prata s/n), no Bairro Alípio de Melo, dias 1, 2 e 3 de dezembro, de sexta a sábado, às 20h, e, domingo, às 19h. Informações: (31) 3277-6437


Sobre Jefferson da Fonseca, ator e diretor de “Vincent – Um solo de amor”


Jefferson da Fonseca, mineiro de Belo Horizonte, nascido em 1971, é ator, diretor, jornalista e professor. Diretor da Casa do Ator - Studio de Treinamento e Arte; professor de interpretação da Rede Pitágoras (2000-2007); professor de interpretação e improvisação da Puc Minas (2000-2014). Em 1998 e 2014, com trabalhos em Cuba, Argentina, Alemanha, França, Espanha e Luxemburgo, Jefferson foi curador do Festival Internacional de Teatro de Belo Horizonte (Fit-BH). Entre dezembro de 2015 e agosto de 2017, foi diretor das artes da Fundação Municipal de Cultura de Belo Horizonte. Diretor do Fit-BH, em 2016. Desde 1992, é profissional de teatro, TV e cinema. É autor das crônicas semanais de “Vida Bandida” e “Bandeira Dois”, publicadas pelo Grupo Diários Associados, onde é colaborador desde 1991. Foi repórter de cultura e cidades. “Natasha”, “Nós outros”, “Um outro alguém”, “Bonsai” e “Alma nua” são algumas das histórias de Jefferson roteirizadas para o cinema. Para o teatro, entre outras peças, o ator e dramaturgo escreveu “Era uma vez Mary Lane”, “Chovia, mas os ladrões não usavam guarda-chuvas”, “O comedor de batatas”, “Alice ao avesso”, além de “Vincent – Um solo de amor” – adaptação de cartas do pintor Vincent Van Gogh. Como ator, premiado em drama e comédia, Jefferson atuou nos espetáculos “A intrusa”, “O processo”, “O mágico de Óz”, “Peter Pan”, “Ricardo 3”, “Vincent”, “Palmeira seca”, “Lua de cetim”, “Essa velha é uma parada”, “Fulaninha e dona coisa”, “Os sem vergonhas”, “Um inimigo do povo” e “Antígona: outra vez tenho vontade bater em alguém”, com a Cia Pitouch (França), entre outros. Na TV, pela Rede Globo, esteve no elenco da minissérie JK, nas novelas “Sete Vidas”. “Novo mundo”, “Os dias eram assim” e em quadros especiais para o Fantástico, de 2012 a 2016. No cinema, destacam-se as obras “Amor perfeito”, de Geraldo Magalhães, “Pequenas histórias”, de Helvécio Ratton, “Galinha ao molho pardo”, de Feliciano Coelho, “Alma nua”, “O homem das multidões”, de Cao Guimarães e Marcelo Gomes, os inéditos “Alma nua”, “Descompasso” e “Escuta-me”, da Casa do Ator, e o premiado “Foro Íntimo”, de Ricardo Mehedff.



FICHA TÉCNICA

Textos:
VINCENT VAN GOGH
WILLIAM SHAKESPEARE
ANTONIN ARTAUD

Roteiro e Direção:
JEFFERSON DA FONSECA
MARCELLO CASTILHO AVELLAR

Arte, Figurino e Fotografia:
ANA CÂNDIDA CARDOSO

Iluminação:
CÁSSIO PINHEIRO

Produção:
QUERIDA COMPANHIA DE TEATRO
PAULA SÁ E TERESA BORGES 

Contatos:
Paula Sá (31) 99637-1416
Teresa Borges (31) 99972-5818

vincentvangogh.solo@gmail.com