Van Gogh - Temporada 2017

Van Gogh - Temporada 2017
Estreia dia 17, no Teatro Marília

sábado, 20 de fevereiro de 2010

JackDaniels e Muleka42 (2)

Maria Helena almoçou sozinha e preparou sua melhor roupa para o encontro com o tal JackDaniels, que, na internet, se dizia piloto de avião. Maquilou-se como dama elegante. Sentiu-se bem, viva e madura, diante do espelho de porta inteira, no quarto de casal. No criado-mudo, deitou o porta-retrato com a foto do marido, Leopoldo, sorridente em tempo de alegria a dois, em Porto de Galinhas. Lembrou-se de Lucas e Lucília – que estavam fora, curtindo a folia no Rio de Janeiro – ao ver painel com fotos e bilhetinhos de família. Na parede, pai, mãe e filhos felizes, aninhados em poses e letras de quem ama e é amado.

A professora não conseguiu evitar reler as mensagens de amor do marido apaixonado. No aniversário de casamento de 2005, Leopoldo escreveu: “A gente até briga e se desentende, mas, juntos, damos sempre a volta por cima. Obrigado pelo Lu e pela Lucy. Vocês dão sentido à vida. Obrigado também pelos 20 anos de respeito e amizade”. Aquilo fez Maria Helena tremer na base. “Cinco anos... Nem faz tanto tempo assim. Onde e quando foi que a gente se perdeu?”, perguntou baixinho. Não tinha resposta. Fechou o cartão fosco e o devolveu ao mural de felicidades. Suspirou e voltou ao espelho para retocar o rosto e recobrar a coragem. Com falso assanhamento, passou as mãos ao longo do corpo para ajeitar o indefectível vestido azul em flores.

Maria Helena dedicou horas daquela tarde de domingo buscando forças para chutar o pau da barraca e se entregar ao estranho, conhecido na sala de encontro virtual. Vestida para o pecado, por fim, a mulher estava decidida a topar o que viesse. O pulo da cerca estava marcado para 17h, em quebrada de Macacos, em São Sebastião das Águas Claras. Os dois entenderam que o lugarejo, charmoso e discreto, seria bastante apropriado para a ocasião. A mãe do Lucas e da Lucília – Muleka42 para os internautas – se sentiu segura com a sugestão do tal JackDaniels, já que os negócios imobiliários do marido, corretor, estavam concentrados longe dali, em Pará de Minas e Nova Serrana.

O relógio no painel do automóvel indicava 16h. “Coragem”, pensou alto ao dar a partida no Honda Fit prateado. Calculou 40 minutos até o mirante, ponto marcado. No rádio, balada antiga em programa de saudade. Maria Helena era só pensamento: “Coragem, coragem”. Não seria nada fácil trair o companheiro. Ainda mais assim, com um nome sem rosto: “JackDaniels, piloto de avião”. Apenas o que sabia. No dia anterior, em pouco mais de duas horas de teclado, alimentaram caso por afinidades escondidas. De verdade, ambos quarentões e casados. De resto, fantasia, promessa de vinho e poesia. Citaram Neruda, Drummond e Andre Di Bernardi. Enfeitiçaram-se para dar jeito, um pouco, nas dores da solidão a dois.

Estradinha vazia, Maria Helena gastou pouco mais de meia hora para chegar. No local combinado já havia um jipe sujo de lama. O coração da mulher bateu disparado.

(Continua no próximo sábado)


Vida Bandida - Jefferson da Fonseca Coutinho - 20/2/10

Nenhum comentário: