Van Gogh - Temporada 2017

Van Gogh - Temporada 2017
Estreia dia 17, no Teatro Marília

quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

É Natal. E daí?

Entra ano, sai ano é sempre a mesma história. Não gosto do Natal. Pode até parecer rabugice, mas há algo que me encuca: não pode estar certo todo o espírito de bondade, de generosidade, de paz, de amor e de solidariedade estar concentrado numa só época. Melhor seria equilibrar todo esse bem ao longo do ano. É beijo, abraço e tapinha nas costas aqui, ali e mais acolá. Não dou conta. Tenho pra mim que o verdadeiro Cristo nasce todos os dias. No mais é esquema do comércio. Jogada sensacional pra aumentar as vendas. Conversa pra boi dormir.

Não sei onde está escrito que no fim do ano todo mundo tem que amar mais, comer mais, beber mais, e tudo mais. Besteira! Religião à parte, a celebração do nascimento de Cristo bem que merecia ser diária. Uma vez por ano é bem pouco. Talvez o mundo fosse melhor sem o consumo desenfreado e as festanças rasas de fim de ano. No Natal e Ano Novo todo mundo é amigo de todo mundo. Toda gente quer e sabe fazer um social. Haja fartura! Uma beleza! Sabemos não ser bem assim. Relações profundas não precisam de pretexto para se renovar. Renovam-se a todo instante, simplesmente.

Em família, então, para muitos, é uma encenação. O sujeito passa meses sem fazer uma visita, sem dar um telefonema pra saber como vão as coisas. Chega o Natal, é papai pra cá, vovó querida pra lá, uma farsa. Não dou conta. Aí, os meus amigos, companheiros de todos os dias, dizem: “É o espírito do Natal, Josiel”. Espírito do Natal é o da carambola! Espírito do Natal de verdade é outra coisa: é a presença da mente. Conheço sujeitos aos montes que não tem presença que vale um café.

Entendo os compromissos pela sobrevivência. Especialmente aqueles que, muitas vezes (ou quase sempre), nos fazem ficar distantes daqueles que amamos – eu mesmo, agora, por força das circunstâncias, estou bem distante de pessoas muito amadas. Mas quem disse que o amor de todo dia não sobrevive à distância de duas semanas? O que não vale é fazer de 25 de dezembro único pretexto para ser o bom, ser o tal. Sei de gente assim, incapaz de fazer um agrado ao irmão ao longo de 360 dias, e que, no Natal, distribui restos aos estranhos debaixo das pontes.

Contudo, não posso crer que o Natal seja apenas época em que as diferenças se acentuam ainda mais. Aos afortunados, tudo; aos que nada tem: qualquer migalha basta. Afinal, caríssimos, é Natal e é preciso saber agradecer, ora essa. Porque, é claro, há também, um mundaréu de mal-agradecidos. Estes, os piores: os que nada fazem nunca e esperam pela generosidade do outro sempre. Falar disso pra quê? Nasceu o menino Jesus! É tempo de paz – por estes dias apenas. Depois, deixemos o pau quebrar. Ano que vem tem mais Jesus. Francamente, pai! É Natal. E daí?

Bandeira Dois - Josiel Botelho - 22/12/10

Nenhum comentário: