Vincent - Um solo de amor

segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

A macumba da virada



Era dezembro. A advogada Wandineia perdeu o marido para Danusa, a manicure. Um pitel: vistosa, de boas carnes e gentileza – completamente diferente da sujeita, doutora de porta de cadeia, um traste. Com a roupa do corpo, Jaci deixou casa e foi viver novo amor em Santa Luzia. Wandineia ficou abaladíssima: “Mato a vagabunda!”.

A verdade é que Wandineia pintou o diabo na vida do Jaci. De certa feita, lançou faca de ponta no vendedor que, por pouco, não ficou desfigurado. Os vizinhos viviam a dizer: “Tenho pena do coitado!”. “Ela tem parte com o demônio!”. “É o cão!”. Quem vai entender o coração? Fato é que o Jaci quase morreu de amores pela infeliz. Na igreja fez promessa: “Na alegria e na tristeza!”. Não deu conta. Por fim, foi buscar vida nova.

Quando chegou do trabalho, decidido a acabar com os sete anos de suplício, ainda ouviu desaforo. Ele contou até três, respirou fundo e mandou ver, na lata:

– Acabou.
– Que que você resmungou aí?
– Não dá mais.
– Vai amolá o boi!
– Vou embora.
– Vai nada. Você é bunda!

Jaci saiu para não voltar. Wandineia se fez durona: “Fiquei foi livre daquela inconha!”. Fato é que, quando caiu na real, uma semana depois, Jaci já estava feliz, de flerte com Danusa. Wandineia soube e se encapetou: “Ah, desgraça pelada!”. Perseguiu-o no escritório; no ponto de ônibus; na casa da mãe e na sinuca. Sem filhos e fortalecido pelo novo amor, Jaci foi firme: “Nunca mais! Nem pintada de ouro!”.

Revoltada, Wandineia resolveu fazer a macumba da virada. Na noite do dia 31, vestida de branco, dirigiu mais de hora até chegar no terreiro de beira de estrada. Virou garrafa de champanhe e foi direto ao assunto com Madame Sicrana:

– Preciso de um serviço...
– Quer seu homem de volta?

Wandineia pediu doença na rival: ferida na perna; efizema e câncer. Sicrana aceitou a encomenda. Até o carro importado a advogada teve que deixar para pagar a conta. A pé, no último minuto do ano, Wandineia decidiu tentar carona do outro lado da rodovia. Atravessou às pressas a BR-381 e foi esmagada por cegonha desenfreada.

Jaci e Danusa seguem felizes. Ainda mais agora, com a chegada dos gêmeos.

Vida Bandida - Jefferson da Fonseca Coutinho

Nenhum comentário: