Fantástico - Vai fazer o quê?

quarta-feira, 25 de agosto de 2010

Para encerrar o assunto: não à violência!

Quase nunca dedicamos Bandeira Dois às celebridades. Já tem muita gente especializada por conta da matéria em tudo que é TV, rádio, jornal e página da internet. Além do mais, não é trabalho fácil, porque qualquer vacilo no trato da informação deixa de ser notícia e vira fofoca besta, sem propósito. Bom exemplo temos em nosso Aqui, na coluna Quatro por Quatro: a jornalista Simone Castro dá aula na cobertura da televisão e do mundo dos artistas. Então, por respeito e consideração, peço licença à vizinha de papel para espinafrar esse tal Dado Dolabella, que diz ser ator, mas parece saber mesmo é bater em mulher.

Não posso aceitar nenhum tipo de agressão. Fui educado na palavra e sei bem do que estou dizendo. Pancada é coisa de bandido e de gente que não tem razão. Na minha família pensamos assim. Entendo, amigo leitor, que isso é assunto para mais de metro. Mesmo em pouco espaço, faço questão de deixar registrada minha indignação em relação à violência contra a mulher. Esse Dado Dalabella, que, mais uma vez, está sendo acusado de bater em mulher, é famoso. Aí, o assunto ganha destaque na mídia. Mas, sabemos todos, existem muitos dados dolabellas por aí. Aos montes. É aproveitar o péssimo modelo para fazer servir de exemplo.

Para o leitor que não está por dentro da última do panguá, segue breve resumo: na sexta-feira passada, na 1ª Vara de Família da Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro, Viviane Sarahyba entrou na Justiça contra o marido, pedindo separação de corpos e medida cautelar para mantê-lo afastado dela. Ela alegou que, durante seu casamento, foi constantemente agredida pelo sujeito. No entanto, por enquanto, não registrou queixa pela agressão. O que complicaria e muito a situação do elemento, já que no dia 4, Dado Dolabella foi condenado a dois anos e nove meses de prisão - que poderá cumprir em regime aberto -, por ter agredidoa atriz Luana Piovani e a camareira Esmeralda de Souza. É claro que o advogado dele entrou com recurso contra a decisão.

O fato é que o bacana está na bica de ver o sol nascer quadrado. O futuro do agressor nervosinho está nas mãos da Sarahyba. Não deve dar em nada, infelizmente. Que sirva, ao menos, de exemplo para os machões de araque, chegados numa covardia. Quem não se lembra do Bruno, ex-goleiro do Flamengo, dizendo, cheio de pose, em defesa do jogador Adriano: "Quem não já saiu na mão com a mulher?". Deu no que deu. Homem que bate em mulher não vai adiante na vida. Conheço casos que não cabem nesta página de valentões, que se deram muito mal por praticar violência contra as companheiras.

Triste escrever sobre isso hoje, aniversário de moça tão amada. Um desabafo dedicado às mulheres que não toleram desaforos e que enquadram seus agressores. Também àquelas que apanham caladas e que buscam coragem para encerrar o assunto.

Bandeira Dois - Josiel Botelho - 25/8/10

Um comentário:

Adélia Carvalho disse...

Pois acho a justiça, nesses assuntos, absurdamente falha, por isso, homens como esse seguem acreditando que podem espancar as 'suas mulheres', (porque a mulher nesses casos é mais uma 'coisa' que eles possuem e que, por isso, têm o direito de fazer com elas o que bem entenderem).
Cumprir pena em regime aberto? Pagar com cestas básicas e serviço voluntário? Não, não é suficiente para pagar essa violência que a cada dia avança em nível e quantidade e que faz com que tantas mulheres acreditem, ainda hoje, que não há nada a fazer, que precisam aceitar essa situação com naturalidade...
Adélia