Fantástico - Vai fazer o quê?

segunda-feira, 26 de novembro de 2012

A dança da solidão


Boa moça estava ali, no apartamento 101, do predinho cor de terra. Suzane, funcionária pública e cheia de virtudes, só não conseguia se casar. O sonho de vestir-se de branco, com os panos herdados da mãe, parecia ainda mais distante com a chegada dos 40 anos. Laís, amiga desde os tempos de faculdade e colega de repartição, já havia se casado três vezes. Era ela quem ajudava Suzane a lidar com o sonho ameaçado: “Casamento é besteira. Se eu pudesse voltar no tempo, amiga, pegava a fortuna que papai gastou com festa, metia o pé na bunda daquele traste do meu primeiro marido e ia cair no mundo. Se ia”.

Pouco adiantava as conversas com Laís. Suzane queria vestir-se de noiva e ponto. O problema ali, com a bela cheia de carnes, não era companhia. Homem tinha aos montes na cola da administradora. Todos casados. Caso para estudo a atração que os sujeitos comprometidos tinham pela morena de olhos grandes e cheiro cítrico. Com o último, um advogado de carreira, o romance durou sete anos. O sujeito, renomado, dizia que estava esperando o melhor momento para se separar da mulher. Jurou que levaria Suzane ao altar de véu e grinalda, pela Igreja Católica Brasileira. Marcou data e tudo. Por fim, aos prantos, ele deu para trás numa tarde de domingo. “Desculpe-me”, chorou o bigodudo.

Antes do bigode teve um tal Galego, de Sete Lagoas. Com esse a decepção foi ainda maior. O camarada, maior pinta de machão, casado com médica de família tradicional e pai de dois garotos, mantinha vida secreta no colo de muitos moços. Depois de um ano juntos, Suzane quase morreu de tristeza ao saber a ficha do sujeito. Também teve o Jonas, o Elenilson e o César. Todos, comprometidos, diziam-se apaixonados por Suzane. A bela, com sina incrível para amante, era quem chutava sempre o pau da barraca. “Homem não tem iniciativa. Chega uma hora que não dou conta. Facilito a coisa e acabo de vez com a situação. Não sei o que acontece comigo, Laís...”, desabafou com a amiga, em noite de bebedeira.

Os 40 anos chegaram num pulo. Em crise, pediu tempo até para as amizades. Sábado de chuva e falta de compromisso. Sozinha, Suzane decidiu abrir garrafa de vinho para se embebedar de vazio. “Feliz aniversário”, sussurrou para si mesma. Na última taça, foi até o baú do quarto de passado... lembrou-se da mãe morta e vestiu-se de noiva. Aproveitou o som da valsa alegre, vinda do salão de festas do prédio vizinho, e dançou a dança da solidão.

Vida Bandida - Jefferson da Fonseca Coutinho

Nenhum comentário: