Fantástico - Vai fazer o quê?

quarta-feira, 17 de julho de 2013

O garoto e a mulher de vento

Vê-se muita coisa nessa vida. É coisa que se a gente contar ninguém acredita. Mas se deixa de contar, o passado fica encasquetando a cabeça da gente de tal maneira, que fica difícil pegar no sono. Já faz mais de hora que tento dormir e nada. O jeito é deixar a caneta correr solta na caderneta de papel pautado, enquanto o sol se levanta. Assim, quem sabe, o espanto se vai. O dia vai ser longo e logo mais vem a hora do batente de novo.

A história já vou contar. Foi no Bairro Califórnia, na Região Noroeste de Belo Horizonte, numa rua com nome de instrumento. A corrida foi combinada pela manhã, por telefone – indicação do Adelson, que está de férias na Bahia. A voz do jovem passageiro foi firme. Ele queria um carro de bagageiro grande. Estava de mudança para São Paulo e não queria qualquer um com seus pertences mais particulares. Combinamos a corrida para às 21h.

Pouco antes, já estava à disposição do freguês. Toquei o interfone e esperei. Vou contar aqui porque o Adelson, primo do sujeito, me garantiu que ele até ia gostar, já que não faz segredo de algumas de suas “extravagancias”. O rapaz de vinte e poucos anos é comerciante. Inclusive, está indo para São Paulo para receber o dobro do que estava ganhando em Minas Gerais.

Pois bem. O garoto desceu com duas grandes malas. Ambas, muito pesadas e bem lacradas com três cadeados cada. Ele, bem vestido, com terno muito bem cortado, gravata florida, cabelo penteado de lado e óculos de grau. Malas acomodadas, ele voltou para buscar sua companhia de viagem e “de vida”. Para mim, uma grande surpresa, devo admitir.

Ele e a sujeita se sentaram no banco de trás. Pelo retrovisor, era difícil acreditar na cena que mais parecia teatro do absurdo. Uma mulher de vento. Sério. Uma daquelas bonecas importadas que mais parece gente. Perfumada, loira, de salto alto e com um vestido decotado de parar o trânsito. Já tinha ouvido falar de como essas “meninas” são reais, mas daquele tanto… não podia imaginar.

Ele ficou o tempo todo abraçado com a boneca. Ajeitava a roupa da “moça”, os cabelos… Sussurrava no ouvido dela. Alguma coisa consegui ouvir: “Amanhã cedinho a gente chega…” Ou ainda: “Vai ser melhor do que avião… você vai ver”. Pareceu-me sonho. O Adelson nem para me alertar a situação. Foi me contar a história depois. Quando deixei o garoto e a tal mulher de vento na rodoviária, a primeira coisa que fiz foi ligar para o amigo.

“Trata-se de caso sério de amor”, explicou o Adelson. Há mais de ano, desde que o rapaz esteve na China, a trabalho, ele não desgruda da “criatura”. Parece que eles se conheceram por lá, num jantar à luz de velas em Xangai.

Bandeira Dois - Josiel Botelho

Nenhum comentário: