Vincent - Um solo de amor

segunda-feira, 9 de setembro de 2013

Nas costas do cachorrão


Todo mundo tem um primo folgado. Landislau tinha o Binha, o mais sem noção de Nova Serrana, interior de Minas Gerais. Depois que foi largado pela mulher – cansada de sustentar vadiagem –, Binha deixou a terra natal para tentar nova mamata em Belo Horizonte, onde Landislau, o primo, ganhava a vida vestido de cachorro.

Sim: vestido de cachorro – trabalho de representação, dos mais nobres, e de muitas alegrias. Landislau era agente promocional de empresa de segurança e passava horas, fantasiado de cachorrão, nos sinais mais demorados da cidade, acenando e levando graça aos passantes. Dançava e fazia mil e uma “cachorrices” para dar publicidade ao negócio.

Feliz, Landislau acolheu o primo na república em que morava na Avenida Augusto de Lima, na Região Central. Antes, reuniu os companheiros: “É apenas por uns dias... uma semana, no máximo. Ele é boa gente, escoteiro, lobinho como a gente. Só está num momento difícil. Podia ser com qualquer um de nós... hein!?”

Estudantes e trabalhadores, Marcelo e Gustavo já sabiam da fama de sem noção de Binha, expulso do agrupamento dos lobinhos de Nova Serrana por folga e indisciplina. Ainda assim, deram oportunidade: “Uma semana, Landislau. Por uma semana!”. Até trabalho Landislau arranjou para o primo preguiça. Um fiasco. Binha não conseguiu ficar meia hora debaixo da roupa peluda de cachorrão. “Que calor da peste. É ruim de agüentar”, choramingou.

Uma semana, duas, três... e somou mais de mês. Nada de Binha caçar rumo. O camarada tomou foi conta do apartamento. Já havia mudado o pacote da TV por assinatura e dobrado o consumo de água, energia, cosméticos, gás e comida. Sem falar no papo doce para cima das namoradas de Marcelo e Gustavo. Os dois, de regras, já estavam para explodir e convocaram reunião.

Sem acordo com Landislau, que não quis abrir mão da companhia do parente, Marcelo e Gustavo viram a dupla de lobinhos partir. Os dois arranjaram abrigo em casa de tia torta, solitária, em Contagem. Lá, Binha ajeitou encosto de rei, de chinelas, nas costas da velha e do primo cachorrão.

Vida Bandida - Jefferson da Fonseca Coutinho

Nenhum comentário: